quarta-feira, março 28, 2007

Receita para fazer um herói
Reinaldo Ferreira

Tome-se um homem,
Feito de nada, como nós,
E em tamanho natural.
Embeba-se-lhe a carne,
Lentamente,
Duma certeza aguda, irracional,
Intensa como o ódio ou como a fome.
Depois, perto do fim,
Agite-se um pendão
E toque-se um clarim.

Serve-se morto.


Segundo esse link, Edgard Scandurra foi apresentado a esse poema por um colega de exército, (o soldado Esteves) que disse tê-lo escrito. A letra foi um pouco modificada e a banda a gravou em 1988, no álbum Psicoacústico. Só depois do lançamento do disco descobriu-se que era um poema de Reinaldo Ferreira.

A versão gravada:

Receita para se fazer um herói

Toma-se um homem
Feito de nada como nós
Em tamanho natural
Embebece-lhe a carne
De um jeito irracional
Como a fome, como o ódio

Depois perto do fim
Levanta-se o pendão
E toca-se o clarim...

Serve-se morto

2 comentários:

Bean disse...

adoro a versão gravada e adoro o disco Psicoacústico. e os óculos que vinha com ele.

Anônimo disse...

Opa, esse poema é do poeta Cassiano Ricardo !