quarta-feira, abril 05, 2006

momentos...


1) pensando, pensando.

"A vontade de um homem não pode estar completamente sujeita a jurisdição alheia, porquanto ninguém pode transferir para outrem, nem ser coagido a tanto, o seu direito natural ou a sua faculdade de raciocinar livremente e ajuizar sobre qualquer coisa. Por conseguinte, todo poder exercido sobre o foro íntimo se tem por violento, da mesma forma que se considera ultrajar e usurpar o direito dos seus súditos um soberano que queira prescrever a cada um o que deve admitir como verdadeiro ou rejeitar como falso, e até as opiniões em que deve apoiar-se na sua devoção para com Deus: porque tudo isso pertence ao direito individual e ninguém, mesmo que quisesse, poderia renunciar-lhe." (Espinosa, no Tratado Teológico-Político)

pois então.
(desconsiderando qq ligação entre minha opinião e a relação que espinosa faz com deus.)
eu sei que nesse país existe uma lei que considera a pirataria um crime. isso não quer dizer que só pq nasci e vivo aqui nesse momento, tenho que concordar automaticamente.
espinosa defendia a liberdade de pensamento e expressão, mas não a de ação. condenava ações que fossem motivadas pelo ódio ou pela idéia de destruição.
o que me faz ser a favor da pirataria (estou falando especificamente de música, cds e tal) não tem nenhuma relação com ódio, muito pelo contrário. se bobear, é até meio hippie (*arrepios de pavor e vergonha*).
a quem essa lei favorece? às gravadoras e aos artistas que acham mais importante ganhar dinheiro do que divulgar seu trabalho. não, eu não sou hippie. sei mto bem que todo mundo precisa de algum meio pra ganhar algum $ e pagar todas as contas. posso ter uma imagem ingênua e romântica dos músicos, mas eu imagino que quando se cria alguma coisa que é considerada bonita ou importante ou seja lá qual for o adjetivo, o que se quer é que mais pessoas conheçam essa coisa. pra que amarrar isso?
agora falando da pirataria em geral (que, além das músicas, inclui softwares, falsificações de marcas e etc.):
falar que a indústria da pirataria acaba com empregos não é desculpa. pq ela cria muitos empregos tb, mesmo que sejam informais.
a lei contra a pirataria só beneficia àqueles que já têm muitos benefícios. como o sr. bill gates se enriquece mais e mais? e pq eu (e mais um monte de gente) mudei do i.e. pro firefox?
a pirataria não paga impostos? sei.
quem é mais influenciável e besta: a pessoa que paga um absurdo por uma bolsa original LV ou a que paga 10 vezes menos (o que ainda é muito) para uma falsificada? os dois tipos de pessoas só estão interessadas no status.
não vou fazer desse tema uma tese. só quero afirmar: sou a favor da pirataria e da democratização da informação e não concordo com a lei que a considera um crime.



2) vendendo o peixe. ou melhor, dividindo a soja.*

pra quem quiser baixar ótimos cds gratuitamente, nada melhor que o blog mercado de pulgas. música pra todos os gostos, textos bem escritos, informações, links e tudo mais.

(*já que é de graça, não tamos vendendo. sobre o peixe: todos sabem que eu nunca sairia por aí vendendo ou distribuindo peixinhos mortos pra matar a fome de ninguém. a soja é uma ótima alternativa. e que me chamem de chata, ativista ou o que for, hehehe!)

2 comentários:

gal disse...

artista não ganha dinheiro com cd, quem ganha é a gravadora. artista ganha dinheiro é com show.
portanto quando baixo um disco, compartilho, aplico nos amigos, estou ajudando a divulgar o trabalho do cara. internet e mp3 podem ter diminuído os lucros das gravadoras, mas quanta banda nunca sairia do anonimato se não fosse isso? enfim.

fernanda disse...

pois é, enfim.
:)